Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘mobilidade’

O sistema é o primeiro do mundo que permite o movimento em todos os sentidos

Seguindo o conceito de “harmonia com as pessoas”, a Honda desenvolveu uma nova tecnologia de mobilidade pessoal e apresentou o U3-X, um compacto dispositivo experimental que se encaixa entre as pernas do usuário, garantindo livre circulação em todas as direções, como os pés humanos – para frente, para trás, para os lados e na diagonal. A empresa vai continuar a pesquisa e o desenvolvimento do dispositivo, incluindo experimentos em um ambiente do mundo real para verificar a praticidade do aparelho.

O novo dispositivo de mobilidade pessoal permite ao usuário ajustar a velocidade, mover, girar e parar em todas as direções, quando ele inclina a parte superior de seu corpo para deslocar o peso corporal. Isto foi conseguido por meio da aplicação de tecnologias avançadas, incluindo a tecnologia de controle de balanço da Honda, desenvolvida pela equipe pesquisa do ASIMO, robô bípede humanóide da Honda, e o primeiro* HOT Drive System do mundo (Honda Omni Traction Drive System), que permite a circulação em todas as direções, não só para a frente e para trás, mas também diretamente para a direita e para esquerda e na diagonal.

Além disso, o tamanho compacto e a única roda do dispositivo de mobilidade pessoal foram projetados para serem amigáveis para o usuário e para as pessoas ao seu redor, tornando mais fácil para ele atingir o apoio para os pés e ficar com o olho praticamente no mesmo nível dos demais indivíduos.

A Honda apresentará o U3-X pela primeira vez na abertura do 41° Tokyo Motor Show 2009 (patrocinado pela JAMA – Japan Automobile Manufactures Association), que será realizado no Makuhari Messe, na cidade de Chiba, entre 24 de outubro e 4 de novembro.

tfollow

Read Full Post »

Nas grandes cidades brasileiras há baixa densidade de vias expressas, um contraste a várias metrópoles mundiais, onde as alternativas estão próximas ou até paralelas. A carência de planejamento para o estabelecimento de áreas para futuras ampliações dos sistemas viários, bem como de recursos para a melhoria dos transportes públicos, gerou um quadro de pré-caos urbano. Não há solução eficaz enquanto as políticas não atuarem nos verdadeiros problemas do trânsito urbano: a insuficiência do transporte público, a excessiva massa veicular, a falta de cobrança de pedágio urbano justificado pela escassez de velocidade e, o mais importante, as lacunas educacionais.

viaexpressa

As vias expressas brasileiras, que por definição deveriam ser rápidas, apresentam-se como verdadeiros estacionamentos lineares nos momentos de pico. Motoristas aflitos, infindáveis litros de combustível perdidos. Perde-se mais energia aquecendo o planeta do que no transporte em si. Contudo, à medida que a densidade veicular diminui, a velocidade aumenta. A imediata conseqüência é o elevado risco quanto aos graves acidentes, cada vez mais comuns em função da imprudência e das deficiências do sistema viário. Há ainda de se considerar, na busca dos fatores geradores: a frota veicular excessivamente heterogênea, veículos sem manutenção e caminhões pesados e lentos que concorrem o mesmo espaço com automóveis.

Em uma via expressa circulam caminhões cujos motoristas apenas querem cruzar a cidade para atingir outra região do País, têm interesse em viajar com velocidade alta e constante. Em seu caminho, motociclistas estão preocupados apenas em fazer suas entregas. A viagem destes caminhões se classifica como de mobilidade, que exigiria via segregada da viagem destas motocicletas, que se classifica como de acessibilidade. Quando a motocicleta corta a frente do caminhão, marca-se, não raro, a data anual da tristeza daqueles que eram os pais daquele garoto, que mal acabara de ganhar uma moto e um trabalho.

Deve-se, portanto, reduzir a largura das faixas de tráfego para uma motovia? Não! Esta solução pode reduzir consideravelmente a capacidade da via. Basta citar que redução de 30 cm na largura de uma faixa de tráfego tende a reduzir aproximadamente 15% sua capacidade. Há ainda o erro do veto ao artigo 56 do Código de Trânsito Brasileiro, que ordenaria o tráfego de motocicletas, proibindo o uso dos corredores entre veículos.

A via marginal do rio Tietê, importante artéria da cidade de São Paulo, onde o tráfego diário se aproxima de 1 milhão de veículos por dia, praticamente não tem alternativas. O Rodoanel, ao ser concluído, será sua via segregada, a minimizar acidentes e melhorar a fluidez urbana.

Outro fator que colabora com acidentes nas vias expressas urbanas é a falta ou reduzida fiscalização ostensiva. Para controlar a velocidade, agentes de trânsito e radares fixos são preferíveis. Os radares escondidos ou móveis, sob o ponto de vista da aceitabilidade do usuário, têm reforçado a opinião que servem apenas para multar.

Para controlar a qualidade da direção, indicam-se estratégias que visem avaliar se o motorista responde bem a estímulos previamente estudados, antes do que simplesmente verificar se o motorista ingeriu apenas um copo de cerveja. A informática auxilia no apoio à efetivação de ótimos recursos e geraria maior nível de aceitação dos usuários, do que a atual lei que versa sobre o tema beber e dirigir, que é dura e tem se caracterizado por aplicação ínfima.

Creso de Franco Peixoto

Read Full Post »

A cada dia que passa vemos inveçoões que antigamente pareciam impossíveis sendo desenvolvidas, e uma delas é a que a GM e a Segway desenvolvem atualmente, se trata de um protótipo de dois bancos e apenas duas rodas, acionado eletricamente, denominado “Projeto P.U.M.A.” (Mobilidade e Acessibilidade Pessoal Urbana – traduzido para o português). O projeto permitirá que as pessoas se desloquem nas cidades de uma maneira mais rápida, segura, silenciosa e limpa – a um custo bem mais baixo. O veículo ainda reúne forma, diversão, rede de relacionamento e design criativo.

The Project P.U.M.A.

“O “Projeto P.U.M.A.” representa uma solução excepcional para o deslocamento e interação nas cidades, onde vive mais da metade da população mundial”, declarou Larry Burns, vice-presidente de Pesquisa, Desenvolvimento e Planejamento Estratégico da GM. “Imagine veículos elétricos pequenos e rápidos que detectam onde os demais objetos móveis se encontram e evitam ir ao encontro deles, evitando colisões. Agora, conecte aqueles veículos a uma rede do tipo Internet e você poderá melhorar incrivelmente a capacidade das pessoas no deslocamento dentro das cidades, encontrar lugares para estacionar e conectar suas redes de relacionamento e negócios”.

Project P.U.M.A. Prototype Vehicle by GM and Segway

As tendências indicam que a urbanização está crescendo e, com isto, vêm crescendo os engarrafamentos e a concorrência para estacionar. As cidades ao redor do mundo vêm procurando ativamente soluções para aliviar os congestionamentos e a poluição. O “Projeto P.U.M.A.” vai ao encontro na solução destes problemas.

O protótipo do “Projeto P.U.M.A.” integra uma bateria de íons de lítio, gerenciamento de energia digital inteligente, equilíbrio sobre duas rodas, motores elétricos duplos das rodas e uma interface de usuário redutível que permite a conectividade externa. O resultado é um conceito funcional e avançado que demonstra a capacidade da tecnologia hoje existente.

Construído para transportar dois passageiros, ele pode rodar a velocidades de até 56 km/h, com uma autonomia de até 56 km entre as recargas.

Read Full Post »